sábado, 22 de agosto de 2009

E por falar em saudade, onde anda você?

Eu já me acostumei com a saudade. Durante muito tempo ela me acompanhou diariamente, acordada, dormindo, tentando dormir. Me deixou amarrada, mas também me deu uma energia absurda, me deu certeza que tudo tinha um jeito e encheu meus dias e noites.

Aos pouquinhos ela se acomodou, não sumiu de vez, mas ficou quieta, imobilizada e em silêncio, perdida em algum lugar que eu não sei onde é, esperando pra ser acionada.

Mas saudade e música formam uma dupla infalível! E hoje ouvi algo que me deu muita, muita saudade. Só que foi saudade de mim, que tô aqui, tão perto, e ao mesmo tempo tão longe.

Saudade do meu jeito, das coisas que eu pensava, que eu fazia, que eu queria. Saudade de um sorriso especial, saudade do meu cabelo, do meu perfume, das minhas roupas, de como eu me sentia. Ahhhh, que saudade daquela! E não era saudade de um tempo distante, era saudade de pouco tempo atrás, de coisas que ainda existem e parecem, mas que não tem mais a mesma graça.

E me deu uma vontade enorme de me rever urgente! Alguém que os outros talvez continuem vendo, mas que eu perdi de vista.

Um comentário:

renata disse...

ah saudades de mim mesmo... sei bem como é...